quarta-feira, março 22, 2006

Contra a farra do boi

Finalmente coloquei linque para o blog do André Luz: http://poteussos.blogspot.com
que continuou se manifestando sobre a farra do boi com muita propriedade.
Recebi o seguinte e-mail da Mar do http://ameanatureza.blogspot.com

"Manifestos condenam farra-do-boi
Entidades de proteção aos animais se mobilizaram
Itajaí/Florianópolis - Já era noite em Itajaí quando uma "farra-do-boi" diferente encantou a todos na praça da Igreja Matriz. Crianças do grupo cultural Boi-de-Mamão e Dança Portuguesa realizaram uma apresentação especial, mostrando toda a beleza da tradicional manifestação da cultura popular do litoral catarinense, em manifesto aos atos de crueldade e tortura que acontecem com o boi durante uma farra, presente em diversas comunidades do Estado, principalmente nesta época do ano, quando nos aproximamos da Semana Santa. Na farra-do-boi, animal é perseguido pelos farristas, que, em alguns casos, carregam pedaços de pau, cordas, chicotes e pedras para acertá-lo. Já em Itajaí, o protesto de ontem foi pacífico e reuniu aproximadamente cem pessoas no centro da cidade. A atividade integrou a manifestação nacional contra a farra-do-boi, organizada pela Sociedade Mundial de Proteção aos Animais (WSPA). "O animal também sente dor, como todo ser humano. A farra não é uma cultura e queremos despertar esta consciência na população, pois farra-do-boi é crime", destaca Ione Brautigam, integrante do conselho diretor da Associação Itajaiense de Proteção aos Animais (SOS Animal), que coordenou as atividades no município. Opinião parecida tem o senhor Arnoldo José Pereira, de 86 anos, presidente do grupo Boi-de-Mamão e Dança Portuguesa. Ele carrega nas veias a tradição da cultura açoriana e, desde os dez anos de idade, participa do boi-de-mamão, brincadeira que considera extremamente saudável, pois ressalta as raízes locais, sem agredir os animais. "Não aprovo esta farra que machuca o boi e nossa apresentação mostra que podemos manter a tradição açoriana de uma maneira inteligente, sem violência", frisa Pereira. Um grupo de hare krishna também chamou a atenção durante o manifesto, trazendo faixas com os seguintes dizeres: "Diga não à farra-do-boi e a matança de animais" e "Se matar é contra a vontade de Deus, imagina torturar". Em Florianópolis, a manifestação contra a farra-do-boi teve panfletagem, discursos em megafone e faixas exibidas na esquina democrática, que fica no calçadão da rua Felipe Schmidt (centro). Os integrantes de pelo menos quatro entidades e ONGs em defesa dos animais e meio-ambiente tentaram mobilizar a população contra a prática e exigiram o cumprimento das leis que apontam a farra como crime. Participaram representantes da Ecosul, Fundo Vira-lata, R-3 Animal, WSPA Brasil, e o vereador Márcio de Souza (PT). Na opinião das entidades, o Estado de Santa Catarina deixa a desejar no combate à prática, registrada em municípios litorâneos durante a Quaresma e na Semana Santa. "É um retrocesso apoiá-la. Crime não se discute", declarou Halem Nery Guerra, da Ecosul (Florianópolis). "É uma barbaridade o que vem acontecendo há muito tempo no Estado, as declarações de apoio à farra-do-boi. Eu não conheço um turista que aprove isso", condenou Geisa Rigo, do Fundo Vira-lata (Garopaba). Os defensores dos animais começaram a colher assinaturas num abaixo-assinado que repudia a farra e que irão entregar ao ministério público. Acusaram o governo catarinense de ignorar a lei federal 9.605/98, que proíbe todo e qualquer ato que tenha por fim "praticar abuso, maus tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos". Além de frases em que apontavam crueldades, quem passava pelo calçadão pôde ver fotos de bois mortos. No panfleto, as entidades reproduziram as leis que incriminam a prática, "a qual fere o orgulho de Santa Catarina". O ato se estendeu até o começo da noite. (topo)
....................................................
Flagrantee detenção
Porto Belo/Tijucas - Apesar dos manifestos e da proibição, farristas do litoral Manifestos condenam farra-do-boi


Entidades de proteção aos animais se mobilizaram

Itajaí/Florianópolis - Já era noite em Itajaí quando uma "farra-do-boi" diferente encantou a todos na praça da Igreja Matriz. Crianças do grupo cultural Boi-de-Mamão e Dança Portuguesa realizaram uma apresentação especial, mostrando toda a beleza da tradicional manifestação da cultura popular do litoral catarinense, em manifesto aos atos de crueldade e tortura que acontecem com o boi durante uma farra, presente em diversas comunidades do Estado, principalmente nesta época do ano, quando nos aproximamos da Semana Santa.
Na farra-do-boi, animal é perseguido pelos farristas, que, em alguns casos, carregam pedaços de pau, cordas, chicotes e pedras para acertá-lo. Já em Itajaí, o protesto de ontem foi pacífico e reuniu aproximadamente cem pessoas no centro da cidade. A atividade integrou a manifestação nacional contra a farra-do-boi, organizada pela Sociedade Mundial de Proteção aos Animais (WSPA). "O animal também sente dor, como todo ser humano. A farra não é uma cultura e queremos despertar esta consciência na população, pois farra-do-boi é crime", destaca Ione Brautigam, integrante do conselho diretor da Associação Itajaiense de Proteção aos Animais (SOS Animal), que coordenou as atividades no município.
Opinião parecida tem o senhor Arnoldo José Pereira, de 86 anos, presidente do grupo Boi-de-Mamão e Dança Portuguesa. Ele carrega nas veias a tradição da cultura açoriana e, desde os dez anos de idade, participa do boi-de-mamão, brincadeira que considera extremamente saudável, pois ressalta as raízes locais, sem agredir os animais. "Não aprovo esta farra que machuca o boi e nossa apresentação mostra que podemos manter a tradição açoriana de uma maneira inteligente, sem violência", frisa Pereira.
Um grupo de hare krishna também chamou a atenção durante o manifesto, trazendo faixas com os seguintes dizeres: "Diga não à farra-do-boi e a matança de animais" e "Se matar é contra a vontade de Deus, imagina torturar".
Em Florianópolis, a manifestação contra a farra-do-boi teve panfletagem, discursos em megafone e faixas exibidas na esquina democrática, que fica no calçadão da rua Felipe Schmidt (centro). Os integrantes de pelo menos quatro entidades e ONGs em defesa dos animais e meio-ambiente tentaram mobilizar a população contra a prática e exigiram o cumprimento das leis que apontam a farra como crime.
Participaram representantes da Ecosul, Fundo Vira-lata, R-3 Animal, WSPA Brasil, e o vereador Márcio de Souza (PT). Na opinião das entidades, o Estado de Santa Catarina deixa a desejar no combate à prática, registrada em municípios litorâneos durante a Quaresma e na Semana Santa. "É um retrocesso apoiá-la. Crime não se discute", declarou Halem Nery Guerra, da Ecosul (Florianópolis). "É uma barbaridade o que vem acontecendo há muito tempo no Estado, as declarações de apoio à farra-do-boi. Eu não conheço um turista que aprove isso", condenou Geisa Rigo, do Fundo Vira-lata (Garopaba).
Os defensores dos animais começaram a colher assinaturas num abaixo-assinado que repudia a farra e que irão entregar ao ministério público. Acusaram o governo catarinense de ignorar a lei federal 9.605/98, que proíbe todo e qualquer ato que tenha por fim "praticar abuso, maus tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos".
Além de frases em que apontavam crueldades, quem passava pelo calçadão pôde ver fotos de bois mortos. No panfleto, as entidades reproduziram as leis que incriminam a prática, "a qual fere o orgulho de Santa Catarina". O ato se estendeu até o começo da noite. (topo)


....................................................


Flagrante
e detenção

Porto Belo/Tijucas - Apesar dos manifestos e da proibição, farristas do litoral catarinense continuam cometendo o crime. A madrugada desta quarta-feira foi de bastante trabalho para a Polícia Militar de Porto Belo, Litoral Norte. Por volta das 3 horas, um caminhão que carregava um boi para ser solto em uma farra no centro do município foi detido na rodovia SC-412. Motorista, caminhão e animal foram conduzidos à delegacia, onde ficou constatado que o homem era reincidente nesse tipo de ocorrência. A Cidasc recolheu o boi e o levou até um abatedouro em Itajaí, onde foi morto por questões sanitárias.
Reportagem da Rede SC-SBT também flagrou, durante três noites consecutivas, na última sexta-feira, sábado e domingo, a realização de farra-do-boi na periferia de Tijucas, na Grande Florianópolis. (topo)
http://portal.an.com.br/2006/mar/16/0ger.jsp#5





catarinense continuam cometendo o crime. A madrugada desta quarta-feira foi de bastante trabalho para a Polícia Militar de Porto Belo, Litoral Norte. Por volta das 3 horas, um caminhão que carregava um boi para ser solto em uma farra no centro do município foi detido na rodovia SC-412. Motorista, caminhão e animal foram conduzidos à delegacia, onde ficou constatado que o homem era reincidente nesse tipo de ocorrência. A Cidasc recolheu o boi e o levou até um abatedouro em Itajaí, onde foi morto por questões sanitárias. Reportagem da Rede SC-SBT também flagrou, durante três noites consecutivas, na última sexta-feira, sábado e domingo, a realização de farra-do-boi na periferia de Tijucas, na Grande Florianópolis. (topo)
http://portal.an.com.br/2006/mar/16/0ger.jsp#5"


|

Links to this post:

Criar um link

<< Home