sexta-feira, dezembro 23, 2005

Troca de presentes


Antes de entrar no assunto "troca de presentes" eu gostaria de dizer que estou numa caixa muito diferente aqui no blogspot e ontem havia pedidos de login e senha todas mais de uma vez depois de estar dentro do blog - blog in- estranho...Mas....vamos lá!
  • Neste ano comprei uma lembrancinha para cada uma das pessoas com quem vou passar o Natal. Nem sempre é assim. Mudo de estratégias, não sou uma seguidora de tradições e não confiro a mim mesma o rótulo de cristã, judia, espirita, enfim nenhum. Mas, creio Nele.
  • Ontem participei da confraternização na oficina de desenho e estava muito bom mesmo. Desde o jardim de infância nunca achei tão bom participar de um grupo em certos momentos. Houve troca de comes e teve opções naturalistas o bastante nesta troca sendo que os não naturalistas trocam de consepção naquela hora preferindo opções alimentares saudáveis (tipo "troque a montanha de açúcar candy colorido que você trouxe por um panetone integral de Colméia). Sentimos e falamos nos colegas ausentes que poderiam estar conosco neste momento difícil. Falamos sobre Mucha também e acho que vêm figurinhas dele por aí.
  • Dou os meus parabéns para uma pessoa que acerte num presente para mim e não me faça ter de fingir que eu gostei da surpresinha bem intensionada e decepcionante. Por isso melhor nem tentar me dar presente se não tiver um faro extra.
  • A troca de presentes pode ser considerada uma obrigação, mas o mais legal na troca é o critério de igualdade que deve se estabelecer antes, bem antes da distribuição. É tão difícil de seguir este critério que Dorothéia saiu do Bazar Londres onde pretendia resolver tudo por 1,99 (Exceto o presentinho das meninas que foi em cache para que elas pudessem se enfeitar para os amores.) e entrou na Panvel onde o presente do papai e da mamãe ganhou uma hierarquia maior e mais imponente até r$6,00, mas ela achou que poderia ter sido r$ 5,00 o que aumentou o seu nervosismo quase vespertino. Dorothéia fez aqui a via presentes muito semelhante a de muitos brasileiros que irão se reunir nas melhores condições na casa dos seus pais com alguns parentes, alguém mais dado ao humor irá colocar o chapeuzinho vermelho e fará o pregão das prendas singelas. Outra opção seria o amigo secreto, quem sabe no ano que vem para ter uma experiência diferente.
  • A troca pode não ser justa. Posso dar uma lembrancinha de 1,99 para quem me dá uma de r$ 20,00, o que poderá me encabular, me deixar me sentindo incapaz e com insuficiência aquisitiva grave e deixar esta pessoa se sentindo otária se o presente não foi dado de coração, mas por obrigação. Mas, era um CD do Elvis e não era cover, nem um tributo ao próprio e então vamos deixar de bobagens.
  • Segredinho: Quando você recebe alguma coisa não precisa retribuir. Na hora certa você irá retribuir ao Universo de qualquer forma e da melhor forma possível na hora certa em que o seu coração mandar para qualquer ser vivo que não necessariamente aquele de quem você recebeu. Só podemos dar o que temos realmente e estas são as verdadeiras dádivas. Esse é o nível de trocas mais avançado que se estabelece. Ele pode parecer injusto a primeira vista, mas não é. Basta um muito obrigado (a). Basta que aceitem o que oferecemos quando estamos realmente conscientes da possibilidade mágica da dádiva.



Eu sou uma dádiva. Croach...