quarta-feira, dezembro 21, 2005

"Criação Industrial de Peixes"

"Os peixes têm, na boca, quase a mesma quantidade de terminações nervosas que os humanos têm em seus genitais. Assim, puxar um peixe para fora da água com anzol é como tirar uma pessoa da água segurando suas partes íntimas. Não é pelo fato de não emitir sons que um peixe não sofre, ele apenas não pode manifestar seu sofrimento de forma audível. Além disso, muitos usam a boca como um sensor geral, com alta densidade de nervos. Imagine agora como ficaria um peixe que foi alvo de uma pesca esportiva e que teve a sua boca furada e depois foi devolvido ao rio ou mar! Provavelmente ele passará dias de agonia e morrerá. Os peixes criados em tanques também são submetidos a forte estresse devido aos espaços exíguos em que são mantidos. Quando são retirados dos tanques para serem preparados para o consumo, não são mortos na hora e passam um longo tempo sofrendo asfixia até morrerem. Muitas vezes, em virtude da urgência em se preparar os pratos, são descamados, têm o couro arrancado, ou são eviscerados ainda vivos.
Há ainda, certas especialidades culitnárias japoneesas em que o peixe é servido ainda vivo."
(...)
fonte:
Finalmente acabou este assunto triste sobre a criação industrial de animais sobre a qual postei nos últimos tempos. O assunto para mim é bastante pesado e acredito que seja também para muitas pessoas, mas é necessário que saibamos sobre tais assuntos para que tudo mude para melhor.
Não pretendo que ninguém fique aflito em relação a estas coisas, mas que as pessoas de forma inteligente e sensível achem um momento e situação correta para modificar isso individual e coletivamente, pois um dia o sofrimento para os seres vivos na terra deverá diminuir significativamente.