domingo, dezembro 18, 2005

"Criação Industrial de Bovinos



Após o boi passar a vida toda em péssimas condições no campo, passando fome, frio, sede e calor extremos, ele vai para o período de engora. Nesse período, como o gado não está acostumado a comer tanto; tem sérios problemas digestivos, causando-lhe muita dor. Muitos produtores, para reduzir o custo da reação chegam a misturar papelão, pó de cimento, estrume de aves, esgotos industriais e óleo na ração.
No transporte, os bois recebem choques elétricos, são chutados e arrastados até o caminhão, onde são esmagados por outros bois que disputam um espaço minúsculo. Alguns chegam a morrer de exaustão nesse estágio, morte muito lenta e dolorosa. Os que permanecem vivos e já com traumas nas pernas, pescoços e pelves são arrastados até o matadouro, onde esperam várias horas para serem mortos.
Quando chega a hora do abate, o boi entra em um corredor estreito, o que lhe causa muita agonia e desespero, sendo forçado a seguir adiante por choques elétricos. Então, os bois são contidos em pequenos boxes onde levam marretadas na cabeça quantas forem necessárias até que tombém. Os golpes lhe causam mutilações nos chifres, olhos e focinho. O método "humanitário de abate utiliza uma pistola pneumática, espécie de furadeira que ejeta um cano de 15 cm de comprimento no alto da cabeça do animal. O lápis de aço furo o crânio do boi, que tomba inconscientemente. Nem sempre, porém isso acontece de primeira. Quando o boi resiste são necessários dois ou três disparos antes do desmaio.
São, então suspensos ainda vivos por uma das patas traseiras, os músculos se romepem em virtude do grande peso de seu corpo. Operários com longas facas cortam a garganta de cada animal, na jugular e na carótida, deixando-o sangrar até a morte, pendurado de cabeça para baixo."
(...)
Material distribuido na ala de cidadania do Parque Farroupilha onde e existem algumas campanhas, todas elas muito importantes.
www.svb.org.br (texto cedido pela Sociedade Vegetariana Brasileira)
Com as aves e peixes também é terrível este processo como podemos ver outro dia.
Não estou disposta a convencer qualquer que seja de ser vegetariano, pois este deve ser um processo muito consciente, mas o principal é sabermos que todos merecem vida digna.

Conta o que eles fazem com sapos, conta! Nheeeeé...