domingo, outubro 02, 2005

Esta ...


Você faz parte...

...menina

Hoje em dia as crianças estão aprendendo a ter um respeito muito maior pela vida de modo geral. Antigamente, sobretudo os meninos maltratavam os animais por uma questão cultural, curiosiodade e sadismo. Destes motivos só a curiosidade se salva, mas existem várias maneiras de satisfazermos a curiosidade.

Minha mãe sempre me levava para ver os bichos no Parque da Redenção, eu ia a fazendas e sítios e tinham animais na casa dos meus avós. Eu sempre arranjava um bichinho de estimação mesmo sem comprar e ganhei uma tartaruga aos 4 anos. A minha tartaruga não está está disponível para amostra, mesmo assim por causa da escola que o meu filho mais velho estuda a minha mãe insistiu e levou a tartaruga para mostrar embora eu não seja a favor de tartarugas estressadas para satisfazer curiosidades alheias. Minha mãe ficou de olho o tempo todo nela. É uma tartaruga de 39 anos e muito assustada com aquilo que não está acostumada. Por isso eu não empresto ela para "cientistas mirins" e nem para "cientistas". É uma espécie em extinção e não poderia ser ambientada, pois faz muitos anos que vive no cativeiro. A vida dela é ficar num tapauer bem grande e passear na sacada todos os dias tomando sol e caminhando um pouco, mas já fica muito parada e muitas vezes se vira ao contrário não podendo se desvirar como uma jovem tarturuga o que requer ajuda, por isso é preciso sempre dar uma olhada nela. Ela sente ternura e levanta bem a cabeça para cima quando falam com jeito com ela. Sente raiva quando lhe colocam de volta na água e gostaria de caminhar mais esperneando e sente medo e se retrai diante de estranhos. Anda atrás daquelas pessoas que conhece bem. Come alface, carnes e hoje em dia alguma ração. Eu tinha um amiguinho de infância que caçava minhocas e moscas para ela.
É uma tartaruga tigre originária da Lagoa dos Patos e foi dada por um amigo do meu pai.

Uma tartaruga por dentro é bastante semelhante a maioria dos animais mamíferos, embora seja um réptil.
Veja como é uma tartaruga por dentro sem precisar machucar ninguém:
Sacrificar animais para estudantes que não se tornaram cientistas e que têm muito estudo pela frente é um destes abusos que esbarra com certeza nas leis que protegem os animais. Já temos muitos desenhos anatômicos e esquemático no qual podemos saber como são os seres vivos por dentro em seus aspectos anatômicos, não sendo necessário causar a morte de ninguém. Os animais só deviam ser abertos para estudos anatômicos quando mortos de morte natural, como ocorre com os "presuntos" humanos. Quando abatidos para alimentação esta observação também pode ocorrer tendo em vista que a humanidade ainda não chegou a um vegetarianismo seguro ao qual todos tenham acesso como deverá ocorrer.
Com os novos questionamentos os casos em que considerarão necessário o malfadado sacrifício de criaturas deixa esperança de sejam cada vez mais raros e escasseiem, sendo possível somente nas mãos de especialistas altamente capacitados.
|

Links to this post:

Criar um link

<< Home