quinta-feira, agosto 18, 2005

"Que diacho! Eu gostava do meu cusco "

Você faz parte...

da autoria de Alcy Cheuiche

(gentileza de Daniel Cassol para a web
Esqueci de anotar o site. Tem esta poesia em CD aqui em casa.)

"Entendo.
Envelheci
entendendo.

Bicho não tem alma,
eu sei bem, mas será que vivente tem?

Que diacho!

Eu gostava do meu cusco.
Era uma guaipeca amarelo,
baixinho,
de perna torta,
que me seguiu num domingo,
de volta de umas carreira.
Eu andava meio abichornado,
bebendo mais que o costume,
essas coisa de rabicho,
de ciúme,
vocês me entendem,
ele entendeu.
Passei o dia bebendo
e ele ali no costado me
olhando de atravessado,
esperando por comida.
Nesse tempo era magrinho
que aparecia as costela.
Depois pegou mais estado
mas nunca foi de engordá.
Quando veio meu guisado,
dei quase tudo prá ele.
Um pouco, por pena dele,
e outro, que nesse dia,
só bebida eu engolia por causa
dos pensamento.
Já pela entrada do sol,
ainda pensando na moça
e nas miséria da vida,
toquei de volta prá casa e
vi que o cusco magrinho
vinha troteando pertinho,
com um jeito encabulado.
Volta prá casa, guaipeca!
Ralhei e ralhei com ele.
Parava um pouco,
fugia,
farejava qualquer coisa,
depois voltava prá mim.
O capataz não gostou,
na estância só tinha galgo,
mas o guaipeca ficou.
Botei o nome de sorro,
as crianças,
de brinquinho,
mas o nome que pegou foi de
guaipeca amarelo.
Mas nome não é o que importa.

Bicho não tem alma,
eu sei bem.
Mas será que vivente tem?

Ficou seis anos na estância.
Lidava com gado e ovelha
sempre atento e voluntário.
Se um boi ganhava no mato,
o guaipeca só
voltava depois de tirá prá fora.
E nunca mordeu ninguém!
Nem as índia da cozinha que inticava com ele.
Nem ovelha,
nem galinha,
nem quero-quero, avestruz.
Com lagarto,
era o primeiro
e
mesmo piquininho corria mais do que um pardo.
E tudo ia tão bem...
Até que um dia azarado
o patrãozinho noivou e
trouxe a noiva prá estância.
Era no mês de janeiro,
os patrão tava na praia,
e veio um mundo de gente,
tudo em roupa diferente,
até colar, home usava,
e
as moça meio pelada,
sem sê na hora do banho,
imagino lá no arroio,
o retoço da moçada.
Mas bueno, sou doutro tempo,
das trança e saia rodada,
até aí não tem nada,
que a gente respeita os branco,
olha e finge que não vê.
O pior foi o meu cusco,
que não entendeu,
por bicho,
a distância que separa
um
guaipeca de peão
da cachorrinha mimosa
da noiva do meu patrão.
Era quase de
brinquedo a cachorrinha da moça.
Baixinha,
reboladera,
pêlo comprido e tratado,
andava só na coleira
e tinha medo de tudo,
por qualquer coisa acoava.
Meu cusco perdeu o entono quando viu a cachorrinha.
E les juro que a bichinha também gostou do meu baio.
Mas namoro,
só de longe
que a cusca era mais cuidada que touro de exposição.
Mas numa noite de lua,
foi mais forte a natureza.
A cadela tava alçada e o guaipeca atrás dela
entrou por uma janela e foi uma gritaria
quando encontraram os dois.
Achei graça na aventura,
até que chegou o mocito,
o filho do meu patrão,
e disse prá o Vitalício que tinha fama de ruim:
Benefecia o guaipeca prá que respeite as família!
Parecia até uma filha
que o cusco tinha abusado.
Perdão,
le disse,
o coitado
não entende dessas coisa.
Deixe qu'eu leve prá o posto
do fundo, com meu cumpadre,
depois que passá o verão.
Capa o cusco, Vitalício!
E tu, pega os teus pertence
e vai buscá teu cavalo.
Me deu uma raiva por dentro
de sê assim despachado
por um piazito mijado
e ainda usando colar.
Mas prometi aqui prá dentro:
mesmo filho do patrão,
no meu cusco ninguém toca.
Pego ele, vou m'embora e acabou-se a função.
Que diacho!
Eu gostava do meu cusco.

Bicho não tem alma,
eu sei bem.
Mas será que vivente tem?


Campiei ele no galpão, nos brete,
pelas mangueira e nada do desgraçado.
No fim, já meio cansado,
peguei o ruano velho e fui buscá o meu cavalo.
Com o tordilho por diante,
vinha pensando na vida.
Posso entrá numa comparsa,
mesmo no fim das esquila.
Depois ajeito os apero e busco colocação,
nem que seja de caseiro,
se não me ajustam de peão.
E levo o cusco comigo
pois foi o único amigo
que nunca negou a mão.
Nisso, ouvi a gritaria e os ganido do meu cusco
que era um grito de susto, de medo,
um grito de horror.
Toquei a espora no rua
no mas era tarde demais.
Tinham feito a judiaria e o pobrezinho sangrava,
sangrava de fazê poça
e já chorava fraquinho.
Peguei o cusco no colo
e apertei o coração.
O sangue tava fugindo,
não tinha mais esperança.
O cusco foi se finando e os meus olho chorando,
chorando como criança.
Que diacho!
Eu gostava do meu cusco.

Bicho não tem alma, eu sei bem.
Mas será que vivente tem?


Nessa hora desgraçada
o tal mocito voltou
prá sabê pelo serviço.
Botei o cusco no chão,
passei a mão no facão
e dei uns grito com ele,
com ele e com o Vitalício!
Ele puxô do revólver
mas tava perto demais.
Antes que a bala saísse,
cortei ele prá matá.
Foi assim, bem direitinho.
Não tô aqui prá menti.
É verdade
qu'eu fugi mas depois
me apresentei.
Me julgaram
e condenaram mas o pior que assassino,
foi dizerem
que o motivo era pouco prá o que fiz...
Que diacho!
Eu gostava do meu cusco.

Bicho não tem alma, eu sei bem.
Mas será que vivente tem?"

Tá...Não chora.

(A formatação foi difícil aqui e não ficou ótima eu bem sei. A formatação é minha.)
|

Links to this post:

Criar um link

<< Home