domingo, agosto 21, 2005

"Misteriosa Infusão"




de Wilson Turbino

"Eram lindos estes campos
Bem antes da descoberta.
O verde era como um manto,
A pampa era toda aberta.
Cercas, divisas,
bandeiras
Não existiam por aqui.
E tudo isto era o reino
De uma nação Guarani.
Famílias se arrinconavam
Por capões,
planícies, serras.
E, livres,
se deslocavam
Por toda a extensão da terra.
Mas...
quando haviam contendas,
Entre as tribos co-irmãs,
Se reuniam os caciques,
Os feiticeiros, os xamãs.
Se conclamava o conselho
Ao pé do fogo-de-chão
E... ali se discutia
Pra encontrar a solução
O “itacuguá” sobre o fogo
Aos poucos a água aquecia.
E, num clima de respeito,
Aos veteranos se ouvia.
Então... o velho pagé,
De uma combuca na mão,
Tirava uma erva seca
Triturada no pilão.
E com ela preparava
Uma misteriosa infusão,
Que era chamada “caá-y”
Na língua do povo irmão.
O próprio Tupá ensinara
A preparar a mistura
Conforme diziam as crenças
E os mitos dessa cultura
No “caiguá” se colocava
A erva e a água quente.
E a “tacuapí”, que era a bomba,
Completava esta vertente.
Era assim que comungava
O nosso povo ancestral,
Unindo os seres da terra
Ao plano celestial.
E... enquanto os homens calavam
Sorvendo a infusão bendita,
Os ânimos se acalmavam
E as guerras eram proscritas
É por isto que este mate,
Esta silenciosa oração
Nos faz tanto bem à alma
Nos conforta o coração
Nos religando ao passado
Sem olvidar o presente,
Nos tornando mais fraternos,
Mais felizes...
Mais contentes.
Por isto é que eu lhes afirmo,
Com a mais profunda emoção:
Que é Deus Tupá...
que ainda fala
Na língua do chimarrão."

Tem mais no
Galpão Virtual
|

Links to this post:

Criar um link

<< Home