domingo, julho 24, 2005

Eco

<><><>

Este blog não chegou a pensar em ser um blog dedicado a Ecologia. Não são ecóloga. Mas, foi natural eu colocar aqui alguns assuntos ecológicos. Eu estive estudando para a prova do IBAMA. Fiz a prova e passei, mas tem apenas uma vaga. Fiz com gosto esta prova. O conteúdo é bastante interessante. Por esta razão estive motivada. Vejo a questão ecológica do mundo como uma unidade abrangente, um assunto que assume um carácter holístico e tudo se torna ecológico se estamos inseridos neste contexto: Biologia, Direito, Arte, Filosofia...o que você quizer...

Acho que qualquer assunto abordado de uma forma profissional deve vir a nós hoje quando abrimos os jornais, revistas, livros didáticos, etc..., com um conteúdo que leve em consideração a Ecologia, o Meio Ambiente. Assim como em alguns jornais, os jornais locais da minha cidade deveriam conter páginas dedicadas exclusivamente ao meio ambiente e ter suas demais páginas hamonizadas com este conteúdo.

Andei enfadada com a abordagem ecológica que constata fatos lastimáveis como o massacre de alguns animais em algum local particular sem ampliar o assunto ou contextualizá-lo melhor. Isso me causa certa desorientação e falta de vínculo. Qualquer assunto assim, como é o caso dos pit bulls usados para rinha por donos que lhes machucam muito para ficarem furiosos deve ser aberto como um leque para muitas especulações e para um diálogo público, embora isso acarrete até mesmo o fato de aparecer como as pessoas são ignorantes e despreparadas. A título de proteger o seu cão uma pessoa cita o artigo 5º da Constituição Federal que trata dos Direitos Humanos e da igualdade racial. Acho que se agarrou na primeira tábua de salvação que podia. É comovente. Eu fico até pensando se não tem uma razão para aplicar Direitos Humanos aos Animais, mas hoje só conheço a lógica oposta, a de se aplicar os Direitos dos Animais aos seres humanos como foi feito para Luiz Carlos Prestes nos anos 30. Os Direitos dos Animais precisam ser muito ampliados e são estes Direitos que melhorarão os Direitos Humanos também.

Sabedoria é mais do que esperteza. Sabedoria é ecológica. A sabedoria visa o bem comum, visa o meio ambiente. Alguns indivíduos só podem ser espertos pelas condições de vida que não propiciaram a sabedoria, pois para ser sábio é preciso primeiro sobreviver e a sobrevivência é baseada naquelas leis da esperteza que são próprias dos animais. Isso não é condenável, mas podemos ir além na medida em que nos são dadas condições. Se você tem as condições distinga bem a sabedoria da esperteza. Desde pequena a minha mãe falava nesta distinção de esperteza e sabedoria, pois ela é formada em filosofia e sábia.Não completamente sábia, como eu também não sou, mas somos eternas buscadoras da sabedoria e procuramos dialogar com as pessoas, se bem que devido ao medo que o desenvolvimento desenfreado da civilização este diálogo se tornou cada vez mais impossível e superficial. Devemos conversar e ter encontros sem sermos invasivos, mas para alguns qualquer constatação pode parecer uma ameaça, pois existem os que só gostam de ditar moral para os outros (a chamada moral de cuecas). Algumas pessoas se tornaram tão poderosas que estão por um fio se equilibrando em corda bamba. Qualquer palavra que possa insinuar sobre a precariedade deste equilíbrio pode fazer o nosso equilibrista levar um tombo. E muitos estão se baseando numa segurança que na verdade ninguém pode ter em vida. Não estamos seguros e dependemos de alguma forma uns dos outros. Sem amor não somos nada. Sem sabedoria o planeta pode aparentemente se desenvolver com muita esperteza e especulação, mas as pessoas ficaram cada vez mais doentes e infelizes. Ninguém vai se preocupar com a quantidade e qualidade da alimentação alheia e vamos consumir muitos salgadinhos e refrigerantes (além de continuarem existindo os famintos para quem se distribuem algumas balas em datas especiais). Para não escovarmos os dentes vamos usar chicletes que prometem uma boa limpeza nos dentes. Podemos ser espertos o bastante para lucrar com a desgraça alheia e estratéticamente alimentar esta desgraça a título de estarmos ajudando. Eu já vi isso, mas sou esperta o bastante para não incorrer nas penas dos crimes contra honra por constatar tantos indivíduos sem moral e sem ética.

*Assisti neste fim de semana ao filme que eu havia visto a muitos anos e não lembrava: Barry Lindon. Este filme realista mostra como é a "moral de cuecas" ditadas pelas elites. O filme passa-se na Inglaterra no tempo da Rainha Vitória.

É preciso distinguir muito bem a verdadeira moral, a verdadeira ética. Isso porque o dinheiro dita as normas muitas vezes e nas guerras, além de assassinatos, roubos, furtos, estrupos e emboscadas tudo é consentido e ali naquele ambiente alguns homens conseguem ser bons, carregar os seus amigos nas costas e tomar atitudes dignas de um homem, respeitar as mulheres e fazer dentro do possível todo bem que puderem. Este mesmo indivíduo pode ser muito sem-vergonha também, como é o caso do herói do filme que não tinha todo o entendimento que necessitava devido a época em que viveu e acabou com muitos vícios de comportamento.

Sobre este filme: Não é só para Inglês ver. É um dos melhores filmes que eu já vi. Você já viu?
Você se lembra?

Ah...sim...É longa metragem. Prepare pipocas e uma térmica com água quente para o chimarrão ou chá se estiver frio por aí. Se, não uma limonada cai bem.
Uma coca? Não muito obrigada!

=]Bem-vindo(a) a este lar virtual!
|

Links to this post:

Criar um link

<< Home